Biblioteca

Você sabe como está o seu Índice de Endividamento Pessoal?

O final do ano se aproxima e logo será hora de irmos às compras: presentinhos para uns, lembrancinhas para outros, e por aí vai.  

Além disso, nesta época é comum que tenhamos alguns gastos extras, como por exemplo, a revisão do carro, a manutenção da casa de praia para a temporada de férias, a compra de roupas novas para as festas de Natal e Ano Novo, as pequenas extravagâncias típicas das viagens, etc. Aos poucos, lá se foi o tão esperado 13º salário (se é que ele foi suficiente para tudo isso!).

Para quem não pretende perder o controle do Orçamento Pessoal e entrar no Ano Novo com dívidas, aqui vai uma dica:

Aprenda como administrar os seus Índices de Endividamento Pessoal

Basicamente, o nosso índice ou grau de endividamento pessoal pode ser medido de duas formas:

1 - Índice de Endividamento de Curto Prazo     

É a grandeza financeira que nos mostra o quanto do nosso Ativo Imediato (dinheiro mais acessível) está comprometido com o pagamento de dívidas e obrigações financeiras de curto prazo, ou seja, aquelas que já estão vencidas ou cujo vencimento se dará em até 12 meses.

Exemplo 01:

João possui R$3.000,00 em economias e decidiu comprar uma camisa de R$100,00 pagando em 05 vezes sem juros no cartão de crédito. Como ele já pagou duas parcelas, neste momento, a sua obrigação de curto prazo é de apenas R$60,00.  Sendo assim, seu índice de endividamento é de 2%.

IE = Dívidas e Obrigações de curto prazo / Ativo Imediato

IE = R$60,00 / R$3.000,00 ~ 2%

Exemplo 02:

Apesar de ter R$3.000,00 em reservas, Dona Maria deixou de pagar duas prestações do seu carro no valor de R$400,00 cada, tendo hoje uma dívida de curto prazo no valor de R$800,00. Além disso, ela refinanciou o saldo devedor da compra da sua geladeira em 18 vezes sem juros de R$120,00, sendo que desta obrigação, apenas a primeira parcela já foi paga. Em razão disso, o IE da Dona Maria é de 70,67%.

IE = Dívidas e Obrigações de curto prazo / Ativo Imediato

IE = (R$800,00 +1.320,00) / R$3.000,00 ~ 70,67%

2 - Índice de Endividamento Efetivo    

É a grandeza financeira que nos mostra o quanto do nosso Ativo Total (patrimônio líquido) está comprometido com o pagamento de dívidas e obrigações financeiras de qualquer prazo.

Se utilizarmos os exemplos anteriores, veremos que João não possui nenhuma dívida ou obrigação de longo prazo, ou seja, com vencimento superior a 12 meses. Em razão disso - e considerando que o patrimônio de João seja equivalente ao valor das suas economias - poderíamos dizer que os seus índices de Endividamento e de Endividamento Efetivo são idênticos, ou seja:

IE Efetivo = IE = Dívidas e Obrigações de curto prazo / Ativo Imediato

IE Efetivo = IE = R$60,00 / R$3.000,00 ~ 2%

Já no caso de Dona Maria a resposta seria um pouco mais complexa, visto que dependeria do valor do seu Ativo Total (patrimônio líquido).

Suponhamos que o carro cujas parcelas estão em atraso valha R$20mil (total das parcelas pagas). Além disso, sabemos que Dona Maria possui outros R$3mil em reservas. Desta forma, podemos estimar seu patrimônio em R$23mil. Considerando que a soma das suas dívidas e obrigações é de R$2.840,00 – concluímos que o seu índice de Endividamento Efetivo é de 12,35%.

IE Efetivo = Dívidas e Obrigações de qualquer prazo / Ativo Total

IE Efetivo = (R$800,00 +2.040,00) / R$23.000,00 ~ 12,35%

Limites de Tolerância

Depois de calcular os Graus de Endividamento é preciso verificar se os valores encontrados atendem o chamado ‘limite de tolerância’. De forma geral, é recomendável que o IE de curto prazo nunca supere o valor equivalente a 15% do total de disponibilidades imediatas, ou seja, o dinheiro mais acessível.

Já em relação ao IE Efetivo é recomendável que o mesmo fique abaixo do valor equivalente a 20% do Ativo Total, ainda que o limite ideal varie de pessoa para pessoa em função da idade, estilo de vida e da situação patrimonial do indivíduo (ciclo financeiro).

Controlar o orçamento pessoal é uma parte fundamental do processo de Independência Financeira e, por isso, não pode ficar para depois.

Até mais!

» Leia Agora: Gestão do Capital de Giro: o grande desafio do empreendedor iniciante

Nossa missão é contribuir para o sucesso financeiro e pessoal dos nossos clientes.

G9 Investimentos - Consultores Associados