Biblioteca

Crise financeira? Vender a sua casa pode ser a solução

O agravamento da crise financeira e as incertezas em relação ao futuro da nossa economia representam uma ameaça real ao patrimônio das famílias brasileiras.

Desde 2012 os impostos e as despesas domésticas e de consumo vem subindo muito além da inflação oficial e, com isso, reduzindo drasticamente o poder de compra da população. Um reflexo direto desta perigosa combinação é a disparada do endividamento e da inadimplência das classes C e D, que tradicionalmente são as mais afetadas em tempos de crise.

Muito cuidado com os financiamentos imobiliários de médio e longo prazo

A dificuldade de economizar e de planejar investimentos faz com que a imensa maioria das pessoas só consiga adquirir imóveis para moradia por meio de financiamentos longos e extremamente caros. A situação se agrava quando o pagamento das parcelas depende exclusivamente do salário, pois - em caso de desemprego - se houver inadimplência, há o risco do banco pedir o imóvel.

Mais do que nunca é preciso cortar gastos e fazer de tudo para manter o orçamento sob controle, do contrário, pode-se perder tudo aquilo que foi conquistado ao longo de anos de muito trabalho e sacrifícios.

O que fazer quando se já está endividado?

Muitas vezes a solução de um problema financeiro pessoal/familiar grave está na venda de um ou mais bens, inclusive a própria casa. 

Você já parou para pensar que vender a sua casa pode ser a solução?

A explicação é simples:

Quem se dispõe a trocar um financiamento por um aluguel normalmente consegue quitar dívidas (e parar de pagar juros!) e recuperar a "saúde" financeira muito rapidamente. Isso ocorre devido a redução do endividamento (eliminação do financiamento de longo prazo), bem como pelo aumento da liquidez, que possibilita aumentar as receitas a partir de investimentos. Essa combinação é extremamente positiva para o sucesso financeiro de qualquer pessoa.

Além disso, vale lembrar que - do ponto de vista financeiro - imóveis para moradia são considerados PASSIVOS, ou seja, bens incapazes de gerar receita (pelo menos até que haja uma valorização significativa e o imóvel seja vendido com lucro). 

Questione as suas crenças!

Mudanças comportamentais desta magnitude pressupõem coragem e disponibilidade para romper com crenças e hábitos limitantes relativos ao uso do dinheiro, muitas vezes herdados dos nossos antepassados. Ideias como "imóveis de família jamais podem ser vendidos" e/ou que "morar de aluguel é um mau negócio", definitivamente, precisam ser revistas. 

O caso comentado a seguir é um bom exemplo do poder de transformação deste tipo de reflexão.

Imóvel Próprio x Negócio Próprio

João (50) e Maria (45) eram funcionários de duas montadoras localizadas na grande São Paulo. No início de 2015 a crise financeira afetou diretamente o setor e o casal entrou na primeira lista de demissões "involuntárias". Com filhos adolescentes e muitas contas para pagar o tempo das economias estava contado. 

A perda dos empregos acabou sendo o empurrão que faltava para a realização de um sonho: abrir um negócio próprio. Ambos tinham experiência administrativa, restava apenas uma dificuldade comum a maioria dos novos empreendedores: CAPITAL.

Considerando que as reservas já estavam comprometidas com o orçamento familiar, viram na venda do apartamento em que moravam a chave para uma grande mudança. 

Era preciso agir rápido. O imóvel foi vendido por R$450mil líquidos (R$50mil abaixo do valor de mercado). Reservaram um terço para quitar dívidas e, futuramente, dar de entrada num apartamento próximo do "novo trabalho": um estacionamento rotativo. Os R$300mil  investidos no negócio rendem, em média, 3%am, ou seja, R$9.000,00 - dois mil reais mensais a mais do que recebiam trabalhando quase 10 horas por dia e sem nenhuma estabilidade. Além disso, a despesa familiar baixou, pois a crise derrubou o valor dos aluguéis na região, o que lhes permitiu economizar em moradia e em transporte, já que morando mais perto do trabalho com apenas um carro é possível atender toda a família.  

Sucesso Financeiro = Disciplina + Planejamento

Pense nisso e viva com tranquilidade.

Até a próxima!

» Leia Agora: Até quando será possível viver de juros?

Nossos Produtos e Serviços