Biblioteca

Como iniciar um negócio sem ter dinheiro

Quantas vezes temos idéias brilhantes que poderiam ser transformadas em grandes negócios e esbarramos na falta de dinheiro para colocá-las em prática, não é? 

 

O que pouca gente sabe é que nem sempre é preciso ter dinheiro para iniciar um bom negócio.

 

Diariamente centenas de oportunidades 'batem à nossa porta' e as perdemos simplesmente porque pensamos que sem dinheiro não é possível desenvolvê-las, quando na realidade é preciso somente coragem, inteligência e conhecimento.

 

Esse comportamento derrotista é uma característica comum a maioria dos pseudo-empreendedores, já que com freqüência deixam seus projetos pessoais de lado ainda na fase de idealização.

 

De forma geral, a descoberta de uma oportunidade é seguida de uma etapa inicial de muita euforia; várias ideias vão surgindo e muitos até se imaginam atuando no futuro negócio; o problema começa no momento em que a emoção abre espaço para a razão e os primeiros questionamentos quanto à viabilidade do projeto vão surgindo; é justamente nesta hora que percebe-se quem realmente nasceu para empreender.

 

É fundamental que se diga que o sucesso de uma empresa não é apenas uma questão de otimismo x pessimismo, o que está sendo dito aqui é que nem sempre a falta momentânea de dinheiro é motivo para não seguir em frente.

 

Logo abaixo apresentaremos alguns exemplos práticos de serviços e negócios rentáveis, de natureza simples e que não dependem de capital para sua implantação - (Observação: os nomes usados são fictícios).

 

Exemplo 1 – Estacionamento para Bicicletas:

 

Sr. Joaquim reside na beira de uma rodovia que liga a CIC (Cidade Industrial de Curitiba) ao bairro Pinheirinho, um dos maiores e mais populosos bairros da cidade de Curitiba, Pr. Diariamente - da porta de sua casa - ele observava as centenas de trabalhadores que iam de bicicleta até o terminal de ônibus do bairro, que fica a apenas 100 metros da sua casa. Devido ao aumento da criminalidade na região, muitos trabalhadores tiveram as suas bicicletas roubadas e passaram a ter medo de deixá-las no terminal enquanto trabalhavam. Foi então que o Sr. Joaquim teve uma grande idéia: abriu um estacionamento para bicicletas. Por R$1,00/dia por bicicleta, centenas de pessoas passaram a “guardar” as suas bicicletas na casa do Sr. Joaquim, que passou a oferecer também serviços de manutenção, limpeza e venda de peças de reposição. Atualmente, a renda do Sr. Joaquim é muitas vezes maior do que no tempo em que estava empregado.

 

Exemplo 2 – Organizadora Doméstica:      

 

Sra. Paula trabalhou vários anos como secretária da gerência de uma grande empresa. Dentre as suas atribuições estavam à organização de documentos, o pagamento e o recebimento de contas, o envio de correspondências, pesquisa de preços, compras de mantimentos (inclusive de material de escritório, alimentos, higiene e limpeza), etc. Os colegas da Sra. Paula sempre se queixavam que não tinham tempo para fazer estas coisas e elogiavam a agilidade com que ela fazia o seu trabalho, principalmente, a forma organizada com que ela programava as tarefas diárias. Daí veio a idéia: por que não oferecer serviços de organização doméstica aos amigos e familiares? No início foi preciso conciliar “o novo negócio” com o emprego. Em pouco tempo a agenda da Sra. Paula estava cheia. A maior parte dos serviços é executada pelo telefone ou pela internet, exceto aqueles que necessitam de uma presença efetiva. Hoje a empresa tem 5 funcionários: 1 motorista-entregador, 1 atendente e 3 auxiliares práticas. Tudo isso foi conquistado em menos de 2 anos, sendo cobrado em média R$80,00 mensais por cliente.

 

Exemplo 3 – Hospital de Plantas:      

 

João, um Técnico Agrimensor, trabalhou durante muitos anos como assistente de topografia numa empresa especializada em construção e reforma de residências. Sempre que ia iniciar seu trabalho, João percebia que os terrenos tinham muitas plantas ornamentais que seriam perdidas em função das novas construções. Daí surgiu uma idéia: antes de iniciar os serviços de terraplanagem, João se dispunha e ir ao local e retirar todas as plantas que pudessem ser reaproveitadas sem custos para o proprietário da obra. Pronto: iniciava assim a sua floricultura especializada na recuperação de plantas ornamentais. Muitas vezes as plantas retiradas por João tinham grande valor comercial e por pouco não acabavam em caçambas de entulhos. Com o passar do tempo, a floricultura de João passou a receber também plantas de pessoas que ficariam ausentes da cidade ou que estavam tendo dificuldade em mantê-las e por isso ficou conhecida como Hospital de Plantas.

 

Exemplo 4 – Organizadores de Eventos:   

 

A festa de casamento de Renata e Marcelo foi maravilhosa. Todos os convidados ficaram impressionados com a riqueza de detalhes. Logo que voltaram da lua-de-mel várias pessoas entraram em contato querendo saber quem tinha organizado a cerimônia, bem como os preparativos. Todos se surpreendiam ao saber que o próprio casal cuidou de tudo. Disto nasceu uma empresa especializada em eventos de pequeno e médio porte. Nem a questão do horário foi um impeditivo, já que o casal trabalha sempre junto. Eles já pensam em aumentar o negócio que atualmente é capaz de atender até 4 eventos simultaneamente.

 

Exemplo 5 – Consultora de Imagem: 

 

Melissa sempre foi reconhecida pelo seu bom gosto e sofisticação. Suas atitudes sempre foram alvo de admiração. Todas as suas amigas sempre lhe pediam dicas de moda, vestuário, etiqueta e generalidades. Assim que se formou em Nutrição, Melissa percebeu que sua real vocação era cuidar da imagem das pessoas como um todo e não somente das questões nutricionais. Logo começaram a surgir clientes. De adolescentes a empresários as dicas de Melissa tinham grande valor e resultados imediatos. Com agenda sempre lotada, hoje ela é referência no ramo; dá aulas e escreve sobre comportamento.

 

Exemplo 6 – Segurança e Manutenção Patrimonial:

 

O mestre de obras Pedro, 46 anos, trabalhou na construção civil desde criança. Ocorre que durante a crise financeira de 2008 muitas obras foram canceladas e Pedro se viu sem emprego. A renda da família ficou restrita ao salário da esposa, uma professora do ensino público paranaense. Cansado de não encontrar nada na Capital, Pedro decidiu se mudar para o litoral. Nos primeiros meses ele ficou parado e o único trabalho que conseguiu foi o de segurança de uma residência. Foi então que idealizou um negócio: prestar serviços de vigilância para casas e edifícios de veraneio. Devido as suas ótimas referências, rapidamente surgiram clientes. Pedro montou uma equipe que além de cuidar dos imóveis ainda realiza serviços de manutenção predial. Atualmente a empresa de Pedro é uma das maiores do litoral do Paraná neste segmento.

 

Exemplo 7 – Bazar Fashion:            

 

As adolescentes Viviane e Mariane sempre foram amigas inseparáveis. Na escola onde estudavam sempre promoviam gincanas e desfiles de moda. Muito bem relacionadas, sempre conseguiam atrair grande público para os seus eventos; foi então que resolveram promover um “bazar fashion” onde as suas colegas poderiam trocar e/ou vender roupas, acessórios, CDs, etc. As receitas viriam com a venda de ingressos e participações nas vendas dos expositores. O primeiro bazar aconteceu na garagem da casa de uma delas e reuniu dezenas de pessoas. O sucesso foi tanto que a idéia deu origem a uma marca de produtos para o público jovem que hoje está presente em várias lojas da cidade, além de ter se transformado numa agência de eventos.

 

Exemplo 8 – Yoga para Executivos: 

 

Henrique era um executivo de uma multinacional. Sua formação técnica e analítica era balanceada por um profundo interesse em esoterismo e espiritualidade. A prática de Yoga sempre fez parte do seu dia-a-dia. Sua calma e serenidade eram admiradas por seus colegas, que sempre lhe pediam dicas sobre relaxamento e técnicas de meditação. A empresa onde Henrique trabalhava passou por uma fase difícil e assim como seus colegas, Henrique perdeu o seu emprego. Para os padrões de mercado, Henrique, 42 anos, era considerado “velho” e isso dificultou a sua recolocação. Foi então que ele decidiu oferecer um serviço diferenciado: sessões de Yoga, relaxamento e meditação nas empresas. Em pouco tempo Henrique já tinha uma ampla carteira de clientes. O aumento de produtividade dos participantes era notório, além de aproximar os executivos das suas equipes. Em média Henrique cobra R$500,00 mensais por grupo/empresa e ainda é dono do seu horário.

 

Exemplo 9 – Alfaiataria Feminina: 

 

Dona Maria Rosa sempre foi uma dona-de-casa muito caprichosa. Nas horas vagas ela gostava de “brincar” de costureira, criando peças para uso próprio ou fazendo pequenas reformas para suas amigas. O que no início era um somente um passatempo, um dia virou um negócio muito lucrativo. Com clientela formada e muito talento, a única coisa que faltava para Dona Rosa era um pequeno “empurrãozinho”... e um dia isso aconteceu. Percebendo que a mãe não tinha mãos à medir de tantas encomendas, sua filha lhe propôs transformar a pequena oficina de costura num ateliê especializado em alfaiataria feminina. Além de peças exclusivas, mãe e filha passaram a comercializar cosméticos, lingeries, dentre outros produtos. Hoje a empresa atende clientes de todo Brasil e o faturamento é digno das grandes marcas do setor.

 

E você, ainda tem dúvidas que é possível iniciar um negócio sem ter dinheiro?

 

Conte conosco!

 

Gustavo de Carvalho Chaves

Gustavo de Carvalho Chaves

Engenheiro Civil (UFPR) e Arquiteto (PUC-PR), especialista em Gestão de Negócios (UFPR), Pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior (UFPR) com extensão no GEOS College Oceania (NZ). Possui mais de 15 anos de atuação nas áreas de Educação Financeira, Consultoria de Negócios e Investimentos. Co-autor do livro Como Comprar Imóveis em Leilões (Editora Insight, 2015).